terça-feira, 14 de outubro de 2008

Barcelona

Este fim de semana foi um fim de semana prolongado para mim. Começou na sexta feira de manhã e só terminou na 2ª feira. O meu maridinho teve uma viagem de trabalho em Barcelona que coincidiu com uma viagem a Barcelona que tinhamos ambos marcado há vários meses atrás. Essas mini férias iriam ser as nossas fériazinhas sem babies. Um luxo. Acabei por ir na sexta feira sozinha de avião para Barcelona uma vez que ele já se encontrava lá.



Várias pessoas já me tinham falado de Barcelona, cidade lindissima onde valia a pena viver. Estava curiosa. O meu maridinho apesar de já lá estar há alguns dias, como estava em trabalho não tinha conseguido ver Barcelona com olhos de ver. Melhor... porque assim veriamos os dois tudo pela primeira vez o que é sempre bom.



E de facto, Barcelona é lindissima. No primeiro dia, como não tinhamos muito tempo pois o avíão só chegou lá, já era hora de almoço, fomos comer umas tapas na Ciudad Condal, um dos melhores restaurantes de tapas mesmo ao pé das famosas Ramblas. Depois resolvemos fazer um passeio num dos autocarros turisticos que percorrem a cidade. Estes autocarros turisticos têm vários circuitos, um deles faz o circuito total e outro separa o circuito Norte do circuito Sul. Optámos pelo segundo. Têm preços de 1 dia e de 2 dias onde a diferença é apenas de 6 euros. Apesar de termos comprado bilhetes de 1 dia, arrependemo-nos pois apercebemo-nos que Barcelona é tão grande que dois dias não chegavam para ver tudo, quanto mais um dia. Aconselho vivamente estes passeios turisticos de autocarro, pois ficamos logo com um panorama geral da cidade muito bom e vemos sitios e coisas que de outra maneira seria dificil.



Ao jantar, como somos umas pessoas curiosas e que gostamos de experimentar a boa cozinha, pesquisamos aqui um bom restaurante. Seleccionámos o tipo de comida que queriamos, o preço e o local, relativamente proximo do hotel onde estavamos e surgiram-nos várias hipoteses. Entre elas, o restaurante eleito, o OVIC. Foi uma escolha muitissimo acertada, pois a refeição foi simplesmente divinal. Como aperitivo trouxeram-nos um "foie" de pato que acompanhava com umas tostas com uma apresentação optima. Depois escolhemos duas entradas que partilhámos, carpaccio de bolota com vinagreta de pinhões e lagostins, e vieiras com molho de soja. O carpaccio de bolota foi uma agradável surpresa, para mim uma das melhores entradas que já experientei, com um sabor simplesmente delicioso. As vieiras, por si só, com um paladar intenso, estavam um pouco achinesadas com o oleo de soja e com os rebentos de soja, que faziam uma entrada muito forte mas também muito boa. Para prato principal escolhi um solomillo de buey com batata frita e o meu marido escolheu um lombo de vaca com legumes. A carne era tão tenra que se desfazia na faca e na boca como se fosse papel e tinha um sabor que activava todas as nossas papilas gustativas. Terminámos o repasto com um coullant de chocolate com gelado de coco. Que dizer? Maravilhoso e de comer e chorar por mais. O coco com o chocolate são uma combinação espantosa. Para quem gosta dos dois sabores como eu, é o céu. Acompanhámos com uma garrafinha de vinho tinto que apesar de não sabermos escolher vinhos espanhois saiu muito bem pois teve a preciosa ajuda da empregada simpática que nos atendeu e que percebeu bastante bem os nossos gostos. A acompanhar a sobremesa pedimos um tipo de moscatel que completou a nossa refeição de maneira brilhante. O preço? Sabem que mais? Um restaurante com a qualidade deste aqui em Lisboa custava o dobro daquilo que nos custou e estava sempre a abarrotar. Não é barato, mas quem disse que as coisas boas eram baratas?



No dia seguinte, recuperada da viagem e o meu marido recuperado da semana de "trabalho", resolvemos pôr pés na estrada e resolvemos fazer novamente o passeio de autocarro, mas desta vez saindo em todas as paragens que nos pareciam dignas de uma visita mais profunda. Vimos a casa Batló, a sagrada familia (sempre em obras), andámos de teleférico no Monte de Motjuvic, fomos à Marina e calcorreamos as ramblas para cima e para baixo onde vários mimos apresentavam a sua arte e contavam com a boa vontade alheia. A meio das Ramblas fica o mercado que nos espantou pela sua organização e pelo asseio. As bancas estavam deliciosamente bem decoradas com fruta, legumes, chocolates, o que houvesse para vender. Fomos até ao bairro gótico, que é uma versão do nosso bairro alto mas 1000 vezes melhor. As ruas são estreitinhas e escuras e há uma infinidade de pequenas lojas e bares com um design lindissimo. Um dos bares que encontrámos por acaso parecia uma floresta encantada e o nome do bar tinha precisamente a ver com isso. Era um bar rodeado por vegetação em que o tecto e as paredes eram árvores, que fazia lembrar as casas dos duendes. Lindo de morrer. Ficou por ver com grande pena minha "La Pedrera" pois a fila tinha um tempo de espera médio de 1 hora assim como o cimo da sagrada familia onde tinhamos de apanhar um elevador que tinha um tempo de espera de 1 hora e meia. Claro que com apenas 3 dias para visitar uma cidade como Barcelona tinhamos de fazer opções.



As Ramblas



À noite, mais uma vez, resolvemos arriscar um restaurante novo e diferente. Gostamos de fugir aquilo que é tradicional e Barcelona é uma das cidades onde nascem os maiores "Chefs" e é o berço da cozinha "gourmet", não fosse o restaurante El BULLI, considerado o melhor restaurante do mundo com 3 estrelas Michellin, se situar em Barcelona. Assim, fizemos nova pesquisa no mesmo site e escolhemos desta vez o Osmosis.

O Osmosis fica curiosamente na mesma rua do anterior e pelo que nos conseguimos aperceber, os melhores restaurantes gourmet não se encontram propriamente no centro da cidade mas sim nos suburbios. Aqui podiamos optar por um menu de degustação ou por pratos a la carte. Por indicação do proprio chef que veio ter connosco, fomos aconselhados a fazer uma mescla entre o menu de degustação e os pratos à la carte. Para entrada, escolhemos um "foie" de maçã e uma especie de mini sopa de cogumelos (pelo menos sabia a isso) com trufas que tinha um sabor muito suave. Como prato principal escolhemos 4 pratos que o chef se tinha proposto a fazer pratos de degustação (mais pequenos), no entanto por lapso do Chef apenas nos trouxe 3 e ainda bem porque mesmo sendo pratos de degustação, teria sido muita comida se fossem 4. O primeiro prato chamava-se mar e serra e era constituido por uma vieira e um pedaço de carne de porco super tenrinha e muito bem temperada. Eu que adoro vieiras achei a combinação suberba. Foi de longe o melhor prato dos 3. O segundo prato foi umas almondegas com ervilhas e molho de tomate que também estava muito bom embora eu ache, modéstia à parte, que conseguia fazer até melhor. Finalmente, o terceiro foi uma espécie de galinha de cabidela com a diferença que em vez de galinha era carne de boi, igualmente tenra. Este prato, acredito que não seja apreciado por toda a gente, uma vez que é um prato muito forte com um sabor forte e intenso. Para terminar, aceitámos uma vez mais a sugestão do chef em pedirmos uma sobremesa levezinha e fresca. Apresentaram-nos então uma sopa de melão e menta com gelado de baunilha que nos limpou completamente a boca de todos os sabores, deixando um aroma suave e fresco que nos percorria toda a boca. No fim, pedimos uma outra sobremesa que nos estava a deixar com imensa curiosidade pois somos os dois grandes apreciadores de chocolate. A sobremesa chama-se explosão de chocolate. Para acompanhar esta sobremesa pedimos um vinho doce especial. o Chef foi buscar uma garrafa sem rótulo vinda directamente do produtor com um vinho doce fabuloso. Pena não ter comprado uma garrafinha para levar. Esta explosão de chocolate não era mais do que um bonbom com uma fina camada de chocolate que quando se colocava na boca, derretia e deixava escorrer para a boca toda o chocolate liquido que se encontrava no seu interior. Realmente fabuloso e só pecou por ser só um. Toda a refeição foi acompanda por um vinho, também da Ribeira do Douro que nos deu uma imensa trabalheira a escolher pois eles não perceberam qual o tipo de vinho que gostavamos. De qualquer modo, foi uma boa escolha para quem não percebe nada de vinhos espanhois.

Durante a noite fomos aconselhados a não ir para a zona das Ramblas, pois a partir de determinada hora passava a ser um centro de prostituição, principalmente masculina. Optámos por ficar pela zona entre o restaurante e o hotel que se encontrava recheada de bares e esplanadas bastante agradáveis. O cansaço era muito e tinhamos ainda mais um dia de passeio pela frente pelo que preferimos não nos deitar muito tarde para que nos levantassemos fresquinhos e prontos para mais umas caminhadas.

No domingo era feriado em Barcelona, chamado dia de Colombo. Tinhamos perguntado no dia anterior ao taxista se o comércio estaria aberto ou não no domingo feriado ao que este nos disse que em principio não. Qual não foi o nosso espanto quando chegamos às ruas principais e as lojas estavam todas, quase sem excepção, abertas. Tirámos o dia para fazer compras, comprámos prendinhas para os nossos ninos, roupinha na benetton que nos surpreendeu pela variedade de roupa que tinha em comparação com as nossas, e brinquedos didáticos no El Cort Inglês. O meu maridinho também comprou umas coisinhas para ele e só eu é que sai de lá com as mãos a abanar. Sou mesmo esquisita.




A viagem para cá decorreu com uma aventura pelo meio. Depois de estarmos confortávelmente instalados no avião e prontos para a descolagem, somos informados que devido a problemas técnicos teriamos de voltar para o estacionamento e sair do avião. Valeu-nos o bom senso da companhia aérea (a Vuelling), que rapidamente trocou de avião e não arriscou voar num avião que não oferecia condições, o que provocou apenas o atraso de 1 hora. Não ganhámos para o susto.


Em resumo, decididamente esta foi apenas uma das viagens que pretendo fazer a Barcelona. É uma cidade linda, asseada, organizada, com uma arquitectura impressionante e que tem tanta coisa para ver, que estou convencida que por mais vezes que se vá lá, nunca se consegue ver tudo. Tem sitios incrivelmente lindos. Também achei curioso o facto de ser uma cidade completamente virada para a acessibilidade tanto a deficientes como a carrinhos de bebes. Faz com que seja uma cidade perfeitamente visitável para um casal com bebes. Claro que da proxima vez que lá formos, não vamos sozinhos. Está nos planos os nossos ninos virem connosco.


Hasta la vista Barcelona!

2 comentários:

JP disse...

Adorei Bébé.

Foi excelente!

Vamos repetir muitas vezes!

Adoro-te Muito.

JP

Laria (Maria+Leonor) disse...

Era mesmo o que eu estava a precisar, fosse qual fosse o destino... Ai! Quem me dera...
Adorei ler-te, a descrição gastronómica fez-me água na boca, principalmente a parte da "explosão de chocolate"!
Bjs grandes!